Memorial com nomes dos 28 mortos em operação no Jacarezinho é derrubado pela polícia, que cita ‘apologia ao tráfico’

0
90

Policiais civis derrubaram, na tarde desta quarta-feira (11), um memorial inaugurado na semana passada, no Jacarezinho, Zona Norte, para lembrar os mortos na operação policial mais letal da história do Rio de Janeiro. Ao todo, a incursão em 6 de maio de 2021 deixou 28 mortos.

Vídeos e fotos enviados ao g1 mostram a ação dos policiais. Participaram da demolição agentes da Coordenadoria de Recursos Especiais (Core) em apoio à 25ªDP (Engenho Novo).

No memorial, inaugurado na sexta-feira passada, constavam os nomes dos 28 mortos na operação. Inclusive o do policial civil André Frias, assassinado por traficantes naquele dia.

‘Apologia ao tráfico’, diz nota da polícia

Em nota, a Secretaria de Polícia Civil informou que, por meio da 25ª DP (Engenho Novo) e da Core, retirou “o memorial ilegal construído em homenagem aos 27 traficantes mortos em confronto durante operação na comunidade do Jacarezinho, ocorrida em 6 de maio de 2021”.

Segundo a secretaria, “durante a diligência também foi realizada perícia no local e no material apreendido formalmente”.

Diz o texto que “o registro de ocorrência que definiu a diligência para retirada do memorial levou em consideração a apologia ao tráfico de drogas, uma vez que os 27 mortos tinham passagens pela polícia e envolvimento comprovado com atividades criminosas”.

A polícia também alega que a construção do mesmo não tinha autorização da Prefeitura do Rio de Janeiro. E acrescentou que a menção ao policial civil André Frias, assassinado pelos criminosos, “foi negada pela esposa do policial assassinado e tampouco teve autorização da família do agente”.

‘Barbárie’, comenta advogado

João Tancredo, advogado de familiares de 14 mortos na operação, criticou a demolição do memorial.

“A barbárie é tamanha que não se respeita, sequer, o memorial em homenagem às vítimas. Como se não bastasse a chacina praticada e a inoperância das investigações, os agentes estatais cometem mais essa violência contra os moradores do Jacarezinho. Vamos até o fim em busca de Justiça”, afirmou, em nota, o advogado.

Investigações concluídas

Também na semana passada, um ano depois da operação, o Ministério Público estadual (MPRJ) denunciou à Justiça os policiais civis Amaury Godoy Mafra e Alexandre Moura de Souza pelos assassinatos de Richard Gabriel da Silva Ferreira e Isaac Pinheiro de Oliveira.

A apresentação da denúncia à Justiça marcou o encerramento das investigações pelo MP, que montou uma força-tarefa para apurar 13 situações nas quais foram mortas as 28 pessoas.

Os policiais Amaury e Alexandre foram acusados pelo órgão de executar dois suspeitos. A eles também foram atribuídos os crimes de fraude processual e de forjar o cenário no local das mortes.

Além deles, os traficantes Adriano de Souza de Freitas, o “Chico Bento”, e Felipe Ferreira Manoel, conhecido como Fred, também foram denunciados pelo MP pelo homicídio duplamente qualificado do policial civil André Leonardo de Mello Frias.

O traficante identificado como autor do tiro que matou o policial morreu em uma troca de tiros com a Core. Segundo a polícia, João Carlos Sordeiro Lourenço, de 23 anos, era conhecido como Jota e subiu na hierarquia da quadrilha depois de ter assassinado André Frias.

E outros dois policiais são réus na Justiça pela morte de Omar Pereira da Silva, de 21 anos, baleado no Beco da Síria, no Jacarezinho. Douglas Lucena Peixoto Siqueira e Anderson Silveira Pereira têm audiência do processo marcada para o dia 29 de junho.

Fonte: https://g1.globo.com/rj/rio-de-janeiro/noticia/2022/05/11/memorial-no-jacarezinho-com-nomes-dos-mortos-na-operacao-mais-letal-do-rj-e-derrubado-pela-policia.ghtml

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Digite seu nome aqui