Aumenta o Foco de dengue na cidade de Formosa! Cadê o carro do fumacê? Cadê os exames específicos de Dengue?

0
1685

A população de Formosa tem feito constantes reclamações sobre a proliferação e contágio de cidadãos pelo mosquito Aedes Aegypti – mosquito transmissor de doenças como a dengue, a febre amarela, a febre chikungunya e o vírus Zika. E a pergunta que não quer calar é: Cadê o famoso carro do fumacê? O carro responsável por jogar o produto que combate o mosquito da dengue?

Informações preliminares são de que os agentes de endemias responsáveis por aplicar o veneno, estão sem receber a gratificação de insalubridade por parte da prefeitura, e que por isso não estão trabalhando no foco do mosquito.

Para piorar, informações de pessoas que chegam ao hospital municipal com os sintomas da dengue , são de que o kit necessário para diagnosticar com precisão a doença está em falta.

Até quando o poder público continuará brincando com a vida dos cidadãos Formosenses?

A dengue mata!!! O cidadão tem que fazer a sua parte mantendo seus quintais limpos e sem focos do mosquito Aedes Aegypti. Porém, o poder público deve cumprir sua parte também no controle, no combate a doença, ao mosquito e prevenção de mortes causados por sua infecção.

O site deolhonanoticia.net , mandou mensagem ao secretário municipal de saúde TIBÉRIO para obter uma resposta sobre os fatos  e em nota o mesmo disse que :”As informações sobre a NÃO prestação de trabalho por parte dos agentes de endemias com o carro do fumacê por falta do pagamento da insalubridade são inverídicas”. Ratificou ainda que :” Na verdade, o que houve foi uma redução na gratificação de insalubridade, mas que o trabalho de combate ao mosquito Aedes Aegypti continua”. Sobre a falta do kit que dá o diagnóstico exato e em momento ágil resultado do exame da dengue, o secretário foi redundante: ” Que o mesmo é feito no CTA, porém o hospital municipal, realiza exames de sangue que ajudam os médicos com mais eficácia e eficiência a chegar de forma mais precisa no diagnóstico da doença”.

Texto: Rony Lima

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Digite seu nome aqui